Calor e cansaço não impedem vitória

16 Jul 2017 / 02:00 H.

O Marítimo bateu, na manhã quente deste sábado, o Gil Vicente, da segunda Liga, em mais um jogo de preparação disputado 14 horas depois do embate, a sério, frente ao Sporting de Braga na sexta-feira.

É o fim de uma semana de trabalho, com treinos, quatro jogos, muitas experiências colocadas nos jogos por Daniel Ramos, muito calor que se tem feito sentir em Lousada, pelo que o cansaço acumulado é já uma evidência e fez-se sentir neste último jogo treino, mesmo que o treinador maritimista tenha feito rotatividade de jogadores em todos os jogos já disputados.

Com dois laterais lesionados (Coronas e Fábio China), Daniel Ramos colocou os mesmos (Edgar Costa e Gildo), que já tinham jogado na parte final do jogo frente ao Braga, numa adaptação de dois extremos e voltou a testar inicialmente o 4x4x2, que continua a trabalhar durante este estágio em Lousada, pese embora ontem, a partir de meio da etapa inicial, com a saída de Everton, por lesão, e com a entrada de Eber Bessa para o meio campo.

De resto, até foi um bom teste para o Marítimo e para o ‘onze’ apresentado, pois o Gil Vicente, treinado por Jorge Casquilha, que esteve no União da Madeira, encarou o treino a sério. Muita capacidade de luta, pressão alta sobre a primeira zona de construção do Marítimo (sem Erdem Sen) e boa organização defensiva. Com grandes dificuldades na construção ofensiva, a primeira parte foi mal jogada e sem grandes situações numa e noutra baliza. Apenas aos 28 minutos houve um sinal de real perigo para uma das balizas e foi protagonizado pelo ataque do Gil, com João Pedro a cabecear para a baliza de Broetto, falhando o alvo. A primeira parte acabou mesmo com mais Gil Vicente no jogo.

O jogo começou de forma mais interessante e com mais dinâmica no futebol praticado no inicio da etapa complementar. E com a turma de Barcelos a criar a primeira grande oportunidade do jogo, valendo a pronta intervenção de Zainadine, a tirar o pão da boca a James. O Marítimo respondeu com um bom remate de Edgar Costa para boa defesa de Júlio Neiva, mas foi novamente o Gil Vicente a ter um dos melhores momentos do embate: grande remate de James de fora de área para uma grande defesa de Charles.

O jogo parecia não querer sair do nulo inicial, mas à entrada do último quarto de hora tudo de resolveu para os verde-rubros. Primeiro quando o guarda-redes Neiva tem uma errada reposição de bola, colocando-a nos pés de Lundberg, que de pronto assistiu Jean Cleber para um golo fácil. Três minutos depois Jumisse faz grande penalidade sobre Lundberg, assinalada de pronto pelo árbitro, com Eber Bessa a converter de forma superior.

O Gil Vicente caiu fisica e animicamente. O Marítimo jogava agora de forma tranquila e viu ainda o sueco Lundberg desperdiçar mais um golo.

Jean Cleber quer jogar mais

Jean Cleber, autor de um dos golos do Marítimo no jogo de ontem, mesmo assim, sublinhou que “nunca podemos estar satisfeitos com aquilo que fazemos”. “Estamos na pré-época, em que as coisas ainda estão a ser melhoradas, mas pelo resultado alcançado hoje [ontem], tenho que estar satisfeito”, diz.

O médio brasileiro acha normal o “o cansaço acumulado pelos treinos e pelos jogos efectuados”, mas logo diz que “temos que trabalhar em cima do cansaço para obter a melhor forma”.

O médio brasileiro do médio considera que “durante este estágio, a equipa tem denunciado coisas boas e outras menos boas, pois é nesta fase que trabalhamos para melhorar, para aperfeiçoar e corrigir os erros”. Já em termos individuais, lamenta “uma lesão que sofri num tendão no final da temporada, que me atrapalhou um pouco nos treinos”, assegurando estar a adquirir aos poucos a forma. “Quero demonstrar mais o meu futebol”, diz.

Jean Cleber espera jogar mais vezes esta época. “Mas tenho que fazer por o merecer, pelo que venho trabalhando para que isso aconteça”, avança o jogador.

Para a posição que o médio maritimista ocupa há muita concorrência. “Acho que em todas as épocas há muita concorrência. Sabemos da qualidade do grupo e a concorrência tem de ser sadia. O treinador tem as peças na mão e vai fazer da melhor forma para colocar os melhores a jogar em cada jogo”, sustenta.

Sobre as saídas e entradas de jogadores no plantel, Jean Cleber admite terem saído jogadores de muita qualidade. “Basta ver para onde foram. Mas agora há jogadores que chegaram e que estão numa fase de adaptação ao grupo, pelo que, só com o tempo, poderemos avaliar melhor todo o grupo”, explica o jogador que se mostra ansioso pelos jogos da Liga Europa. “Ainda não sabemos com quem exactamente vamos jogar, mas temos a ambição de seguir em frente”, diz a finalizar.

Outras Notícias