Biopic retrata vida de diva francesa

‘Barbara’ é um filme de Mathieu Amalric exibido hoje no Centro John Dos Passos

09 Fev 2018 / 02:00 H.

Chama-se ‘Barbara’, estreou no ano passado e é o retrato feito por Mathieu Amalric da estrela francesa Barbara, que viveu entre 1930 e 1997. O filme venceu o prémio Un Certain Regard (Prémio Poesia Narrativa), no Festival de Cinema de Cannes. É exibido esta noite, pelas 21h30, no Auditório do Centro Cultural John Dos Passos, em mais uma sessão do Encontro com o Cinema.

Jeanne Balibar e o próprio Mathieu Amalric dão corpo a esta longa-metragem, um filme dentro de um filme, ela na pele de ‘Brigitt’, que por sua vez interpreta o papel da icónica cantora francesa; ele na pele de realizador desse filme, seduzido pela sua escolha. ‘Yves Zand’ vive obcecado, mas sua inspiração é Barbara ou a actriz que a interpreta? A pergunta pode ser respondida pelos que virem ou já viram o filme estreado no ano passado, descrito como “belo, brilhante, cru”, escreveu o Le Provence. Ou talvez não seja tão simples.

Para plenamente representar esta diva musical da França nos anos 1960, ‘Brigitt’ dedica-se de corpo e alma, procurado apoderar-se do carácter, das canções, dos gestos e mesmo da voz de Barbara. O trabalho é tão bem feito, que até mesmo longe das câmaras, Barbara continua a estar sob a pele da actriz. A personagem invade-a e invade também a mente do realizador, que já não consegue separar as duas e que se assume até um pouco fetichista.

Mathieu Amalric consegue nesta narrativa retrará a vida de Barbara, sem recorrer ao tradicional filme biográfico. “Sem seguir uma narrativa tradicional, é um filme que, diz Amalric, é inspirado em Orson Welles (em particular, ‘A Dama de Xangai’) e Ken Russell”, escreveu o jornal Público.

“Malicioso e magnífico”, como considerou o Aujourd’hui en France, ‘Barbara’ é um filme onde o realizador revela muito sobre a cantora francesa, ao mesmo tempo que mantém o mistério sobre a diva, comparada por Amalric, numa entrevista à revista Sábado, como a Amália para os portugueses. E música não falta ao longo dos 97 minutos, entre a realidade e ficção.

Além de Jeanne Balibar e de Mathieu Amalric, fzz parte também do elenco principal Aurore Clément, entre outros

Amalric já tinha com ‘ Tournée’, um road movie sobre um cabaret burlesco, conquistado o Prémio de Melhor Realizador em Cannes. Aqui regressa ao papel de realizador, já tem vários também como actor, ao lado da ex-mulher.

O filme é para maiores de 12 anos. Os bilhetes custam 2,5 euros e podem ser comprados no Centro Cultural John Dos Passos antes da sessão.

Nesta temporada já foram apresentados vários filmes. ‘Corpo e Alma’, ‘A Liberdade do Diabo’, ‘Paris/Texas’ e ‘Lucky’, este ano; ‘O Outro Lado da Esperança’, ‘Eu Não Sou o Teu Negro’, ‘Vale de Amor’, ‘Duas Mulheres, um Encontro’, ‘Ma Loute’ e ‘Paula Rego, Histórias & Segredos’, no ano passado, este na abertura da presente temporada.