Albuquerque avisa Costa que não reúne no Palácio

Presidente do governo tenciona abordar 20 pontos na reunião com o primeiro-ministro

15 Mai 2018 / 02:00 H.

Miguel Albuquerque recusa encontrar-se com António Costa na próxima segunda-feira, no Funchal, se o gabinete do primeiro-ministro mantiver o Palácio de São Lourenço como palco para a reunião de trabalho dos líderes dos dois governos.

O presidente do Governo Regional já fez saber que não se submete a qualquer tipo de humilhação, nem aceita sem reparo novas provocações ligadas à viagem que ficou a conhecer pela imprensa. Daí que em alternativa ao Gabinete do Representante da República, sugeriu a utilização dos espaços específicos que honram uma Região dotada de Estatuto Político-Administrativo e de órgãos de governo próprio. O Salão Nobre do Governo, a Quinta Vigia ou Assembleia Legislativa são opções apresentadas, sendo certo que “ou o primeiro-ministro muda de ideias ou não há reunião para ninguém”. “No Palácio de São Lourenço, nem pensar”, assegura ao DIÁRIO a Presidência do Governo.

Este é apenas mais um episódio da atribulada novela que envolve a visita à Região de António Costa para participar num dos momentos festivos do Dia do Empresário Madeirense, evento que é organizado pela ACIF.

Na semana passada, quando questionado sobre a possibilidade de haver um encontro com o primeiro-ministro, Miguel Albuquerque salientou que “o que é importante é resolver os problemas da Madeira”.

A elevada taxa de juros, o novo hospital, as dívidas dos subsistemas de saúde e a revisão do subsídio de mobilidade preocupam a Região e são apenas alguns dos 20 pontos que Albuquerque quer debater com Costa.