‘Acorde!’ já toca

Projecto ‘Acorde!’ abriu ontem ao público e está virado para as novas gerações

30 Jan 2018 / 02:00 H.

O ‘Acorde!’ é um projecto de promoção dos cordofones tradicionais da nossa Região e abriu ontem ao público, de forma totalmente gratuita, na Assembleia Legislativa da Madeira. Caso queira conhecer a fundo os sons que marcaram a vida dos nossos antepassados, e que agora pretende chegar aos mais novos, saiba que poderá visitar esta iniciativa, repleta de actividades, até ao próximo sábado.

A panóplia de actividades vai desde as mesas redondas, palestras, concertos, workshops, entre outras acções, numa série de eventos direccionada para a promoção dos cordofones tradicionais.

Para Roberto Moritz, professor na DSEAM, actualmente “não há uma falta de interesse”, mas sim “falta de conhecimento, porque o que acontece muitas vezes é que depois de tomarem contacto e verem o que estamos a fazer com estes instrumentos, as pessoas têm outra visão sobre os cordofones”, assegurou, lamentando que “a grande maioria da população” olhe para os instrumentos de música tradicional como “inferiores”.

“É isso que estamos a tentar combater, ao mostrar que estes instrumentos são válidos para qualquer tipo de música ou grupos. É um trabalho de fundo que se baseia na educação”, disse o professor, esclarecendo que existem sempre dificuldades.

“Costumo dizer que as novas tecnologias e o desporto e todas essas distracções são concorrência desleal, mas acho que temos conseguido cativar um número considerável de alunos e esses são dados que têm vindo a aumentar”, elucidou Roberto Moritz, caracterizando o momento como “um salto positivo”, embora colocando os pés bem assentes na terra.

Tratando-se de um trabalho “lento”, porque “na educação não conseguimos ter resultados imediatos”, um dos responsáveis pelo ‘Acorde!’ diz que este “é um trabalho de várias épocas” e espera que “num futuro a médio prazo se consiga ter uma boa visibilidade”.

O desejo de reunir todo o espólio numa hipotética Casa da Música “seria essencial e é um projecto que está a ser pedido e trabalhado”, no sentido de “valorizar a cultura musical popular madeirense”, assume Roberto Moritz, explicando que “há material para isso, as condições é que ainda não as temos”.

No fundo, esse projecto passaria por “um centro de interpretação ou um museu em que pudesse estar tudo reunido”, numa altura em que “os turistas mostram-se muito interessados” e onde existem casos de viajantes que “vêm todos os anos à Madeira para nos encontrarem”.

“É um nicho, mas prova que temos cá algo de muito importante e diferenciador e isso é para apostar”, atirou o professor, que é também um dos elementos do grupo madeirense Xarabanda.

Secretaria traça o futuro

“O que queremos é criar as condições mais adequadas para aquilo que é um projecto pioneiro a nível regional, que passa pelo desenvolvimento da música e das artes desde muito cedo nas escolas, desde o pré-escolar ao nível secundário, de forma a se consolidar”, começou por explicar Marco Gomes, director regional da Educação.

Segundo o próprio, “a cada ano que passa surgem novos desafios, mas temos de dar as melhores condições em termos artísticos, culturais e nas instalações”, frisando que a secretaria está “preocupada em garantir que este projecto de longos anos possa continuar a ter uma resposta actualizada e virada para as novas gerações”.