“A maioria das empresas aproveita mal o digital”

Entrevista a Vasco Marques. O Marketing Digital é crucial para as empresas. E há um novo mundo nas redes sociais

03 Mar 2017 / 02:00 H.

Vasco Marques é profundo conhecedor do Marketing, embora na área digital ‘só’ há cerca de 15/16 anos. Na altura eram as tecnologias de informação e comunicação (TIC), mas a evolução levou-o a embarcar na ‘aventura’. Formado em Gestão de Empresas, o que mais gosta de fazer é colocar o Marketing Digital ao serviço das empresas com quem trabalha em consultoria e formação. Em Fevereiro, o também autor de três livros, conduziu na Competir Madeira dois workshops, um sobre Facebook Avançado e outro sobre Marketing Digital Avançado. Em Abril, mais precisamente a 7, com o workshop ‘Aumentar vendas com Marketing Digital 360’, e a 10, sobre ‘Redes Sociais 360’, volta ao Funchal.

A sua vasta experiência está expressa nos livros que já publicou? De certo modo sim, mas é uma área sempre em evolução. Os três livros que publiquei - o Marketing Digital 360’, o ‘Vídeo Marketing’ e, recentemente, o ‘Redes Sociais 360’ - mostram muito da experiência profissional que possuo. Sou certificado pela Microsoft, também pela Google e o meu trabalho é prestar consultoria e formação, através da minha empresa ‘Web2business’, nestas áreas da redes sociais e do marketing digital, seja online, seja presencial.

Cada um na sua especificidade, o certo é que as mudanças constantes que ocorrem no Marketing da era digital, levam a que haja sempre algo de novo, sobretudo nos últimos quatro/cinco anos? Sem dúvida que desde há cinco anos foi o grande marco desta área. O Marketing digital é o agregar de todos os meios que estão ao nosso dispor para, online, poder comunicar, poder interagir com o utilizador, poder converter e obter vendas também. Portanto, todo esses processo pode ser feito online e em diversas áreas. Desde o website, o email marketing, o blog, o Google, seja aparecer organicamente, seja com anúncios, conteúdos de vídeos, fotografias, áudio, texto, imagem, gifs, e também a personalização na comunicação, adaptação ao mobile marketing, etc. Temos aqui muitas áreas que estão em constante mutação e em aceleração.

E as empresas têm sabido aproveitar estas ferramentas? Muitas vezes as empresas toma medidas avulso e, na maior parte dos casos, não estão cientes das muitas alterações, técnicas novas que potencializem ainda mais essa comunicação. De uma forma geral, na Madeira por exemplo temos o Turismo que utiliza muito bem o digital. No entanto, nas consultorias que faço, detecto que é possível potencializar muito mais além, seja por novas técnicas ou por realmente a integração de todos estes meios não está a ser bem feita. Por isso, o marketing digital e os meios mais tradicionais como o website, o email e o blog continuam a ser importantes, mas é crucial ir mais além, nomeadamente com maior diversificação nas redes sociais. Com boa estratégia e consistência, a médio prazo consegue-se resultados muito interessantes.

E é possível investir, pouco de preferência, e obter bom retorno? É possível investir e, sem dúvida, tirar resultados financeiros. A vantagem, não menosprezando os meios offline (televisão, rádio, outdoor, mupis, flyers) que continuam a ser importantes, a verdade é que no digital podemos realocar recursos especialmente para o turismo, onde cada vez mais há compras online. Tirando casos específicos que funcionam muito bem offline, a maioria funciona muito bem online. A grande vantagem é que consigo, com o mesmo investimento, muito mais resultados. E com a vantagem adicional de conseguir medir esses resultados. Se investi mil, tive um retorno de dois mil, excelente, significa que estou a trabalhar bem. Contudo, mesmo no digital, nem todos os caminhos são bons, há aqueles que não resultam tão bem. Mas ao analisar as métricas, consigo reajustar o caminho imediatamente.

Já as redes sociais... Como no marketing digital não é só carregar no botão e é fantástico, num click online começam a chover clientes. Não, cada vez há mais concorrência, cada vez mais pessoas preparadas para trabalhar bem e é preciso trabalhar duro, também nesta área específica, para ter resultados. Como ramo do marketing digital, as redes sociais começaram há pouco mais de uma década com o Facebook, o que tem também mais utilizadores. São 1,8 mil milhões em todo o mundo e, mesmo na China que usa o WeChat, têm 700 milhões de utilizadores nessa rede social. Quer gostemos ou não, como empresa, temos de estar no Facebook. Mas não basta estar e colocar umas coisinhas numa página, é preciso estar bem, o que não é para todos. A plataforma tem enormes potencialidades. Não chega estar só no Facebook, não em todas, mas nas mais importantes como o Instagram, o Youtube, o Twitter ou o Pintrest... O ideal é estarem em interligação. É trabalhoso, mas é de um potencial muito grande.

Quanto ao futuro... Ainda estamos a dar os primeiros passos. A banda larga trouxe a coisa mais a sério até 2010. A partir daí até agora e à velocidade que estamos a andar, vai evoluir ainda mais rápido. Algumas nem conseguimos imaginar. A curto prazo, para este ano e o próximo, estão aí os ‘Chatbot’, que é a inteligência artificial nos chats do Facebook, Twitter ou websites, teremos a realidade virtual, que são os conteúdos 360, a transmissão em directo dos smartphones veio para ficar e o próprio vídeo como conteúdo central, pois ainda não está a ser explorado pela maioria das empresas. Até 2020, a realidade aumentada com óculos ou lentes de contacto para ter informação sobreposta à visão, será uma revolução. O 5G está a caminho para acabar com os problemas da internet. Está em testes em Aveiro. Enfim, é difícil prever tudo o que virá, inclusive com todos os dispositivos ligados à internet, que nos fará repensar a nossa forma de estar. Daqui por cinco anos, o que hoje é realidade parecerá muito arcaico.

Outras Notícias