35 anos pela Itália

Na Madeira residem mais de 200 italianos e estão a

17 Set 2017 / 02:00 H.

Italiano de nacionalidade, mas madeirense de nascimento e de coração. É assim que Pietro Luigi Valle se define, ao recordar uma vida muito preenchida, com actividade profissional ligada à hotelaria e aos casinos, ao desporto motorizado, onde foi co-piloto de três campeões nacionais de ralis e aos 35 anos como cônsul de Itália, que completou este mês.

O convite para exercer a representação diplomática foi feito ainda na década de 80 do século passado e entrou em funções em Setembro de 1982. Exerce o cargo desde então e viu o seu trabalho reconhecido, várias vezes, pelo governo italiano.

“Recebi condecorações de Presidentes da República de Itália, de três diferentes e também de três Primeiros Ministros”, recorda.

Entre as condecorações italianas que refere com orgulho, estão a Ordem de Mérito, da República Italiana (1987), Oficial da Ordem de Mérito, da República Italiana (1994) e o grau de Comendador da ‘Stella della Solidarietá’ (2007).

Além destas condecorações italianas, destaca o seu “lado madeirense” que também mereceu o reconhecimento, regional e nacional.

Medalha de Ordem de Mérito Turístico no Grau Prata do governo Português, Cavaleiro da Real Irmandade de São Miguel de Ala, Cordão de Bons Serviços da Região Autónoma da Madeira (2012) e Medalha de Ordem de Mérito Turístico da RAM, são as quatros distinções portuguesas que recebeu. Ao longo de um percurso profissional e diplomático.

Luigi Valle foi presidente dos Casinos da Europa, da Associação Portuguesa de Casinos e, durante 15 anos, presidente da Mesa de Turísmo da ACIF, além de ser Vice-Presidente da Confederação de Turismo de Portugal

Administrador da SDM durante mais de 20 anos, destaca do seu trabalho como cônsul, a projecção que a Madeira teve em Itália, ao nível da Zona Franca e do Centro Internacional de Negócios. Este ano, a embaixada italiana realizou uma acção de promoção, em Lisboa, para apresentação da SDM a investidores italianos.

Os embaixadores italianos que se deslocam à Madeira e que contactam, sempre, a SDM.

“Estas acções não são só do interesse italiano, mas também nosso, porque é promoção da Madeira”, sublinha.

A divulgação da Itália junto dos madeirenses é outro aspecto do seu longo trabalho de cônsul que destaca. Como exemplo, recorda a passagem pelo Porto do Funchal do navio-escola ‘Amerigo Vespucci’ que registou “a visita de 1.206 pessoas”.

Os navios de cruzeiros que pasma pelo Funchal são outro dos aspectos da sua actividade que valoriza, uma vez que os armadores italianos são dos mais assíduos.

Italianos vindos da Venezuela

Neste momento, segundo Luigi Valle, residem na Madeira mais de 200 italianos e o número pode subir, uma vez que “alguns estão a chegar da Venezuela”, país onde a Itália tem uma grande comunidade de emigrantes que criaram laços com a Madeira por casamento.

O aumento do fluxo turístico de Itália para a Madeira, com destaque para a operação directa para o Porto Santo, é outro factor que destaca.

Nascido em 1950, no Funchal, filho de um italiano que se estabeleceu na Madeira na indústria de conservas e casou com a filha do então governador militar, Luigi Valle cresceu e estudou na Madeira e, por isso, assume-se como “madeirense, antes de tudo o mais”.

Ao fim de 35 anos no cargo de cônsul de Itália, recorda com satisfação os gestos de reconhecimento de que foi alvo da parte de vários embaixadores.