Da sala 13 para o Mundo

'BrandMyMail' é um produto novo, tem pouco mais de um mês de vida, mas já conta com utilizadores espalhados pelos quatro cantos do Mundo. A empresa nasceu no Funchal, onde continua a desenvolver-se

02 Fev 2012 / 03:00 H.

A 'Microsoft' foi fundada na garagem de Bill Gates. Os primeiros computadores da 'Apple' foram também montados numa garagem, na de Steve Jobs. O 'BrandMyMail' está melhor instalado, numa pequena sala no Centro de Empresas e Inovação da Madeira (CEIM), e pouco mais de um mês depois de ter nascido já tem milhares de utilizadores em todo o Mundo.

"Neste momento temos cerca de 3.500 utilizadores, mas esse número tem crescido ao ritmo de 80/90 ao dia", explica Roberto Varela, um dos fundadores da empresa 'Inovisoft', responsável pelo desenvolvimento do 'BrandMyMail'.

Esta plataforma, pensada, nascida e desenvolvida no Funchal, permite aos utilizadores personalizarem os 'emails' que enviam, utilizando conteúdos das principais redes sociais como o 'Facebook' e o 'Twitter', partilhar conteúdos multimédia do 'YouTube' e do 'Flickr', anunciar produtos à venda no 'eBay', divulgar 'post' de vários servidores de 'blogs', adicionar assinaturas digitais e actualizar notícias (RSS).

A ideia surgiu por acaso e pretende responder às necessidades dos utilizadores. São cada vez mais as pessoas que assinam digitalmente os 'emails', colocando lá a conta pessoal do 'Twitter', página de 'Facebook' ou 'blog'.

O 'BrandMyMail' faz tudo isso, de forma automática, sempre actualizada e, pelo menos por agora, gratuitamente. "Neste momento é completamente gratuito, mas o objectivo é produzir uma versão paga apostando no mercado empresarial", explica Roberto Varela, dizendo que com esta "ferramenta" as empresas podem potenciar o 'marketing'. "Com isto, cada 'email' enviado por um funcionário da empresa pode ser utilizado como veículo para a publicidade da própria empresa", afirma o empresário madeirense, sentando na sala número 13 do CEIM.

Aqui, existem mais monitores do que teclados. Uma chaleira numa mesa, pacotes de chá e de café. Um quadro branco. Nada de objectos 'nerd'. Tudo muito espartano. A um canto, a trabalhar sobre dois monitores, um madeirense nascido na Venezuela vai programando o 'BandMyMail'. No outro está um engenheiro ucraniano, fazendo o mesmo. Pelo meio, espreita à porta uma coreana, que também está envolvida no projecto. Tanta nacionalidade revela a faceta internacional do projecto que, além de Roberto Varela, conta com dois israelitas como cofundadores. Ambos têm passado militar, nos serviços secretos de Israel, ligados, claro está, à informática.

"Conheci o Limor [um dos sócios] em Lisboa, noutro projecto em que estive envolvido, o projecto não deu certo mas ficámos amigos", recorda Roberto Varela, acrescentando que além de Limor Schweitzer o 'BrandMyMail' conta com Shay Rojansky na liderança. O produto oferece às pequenas e médias empresas uma nova forma de promoção, estabelecendo uma marca distinta através dos 'emails' enviados tornando-se mais um canal de comunicação da empresa, que passa a poder partilhar automaticamente as últimas iniciativas, notícias, produtos com os parceiros, clientes, fornecedores ou simples amigos. "Vamos também fornecer a contabilidade estatística para as empresas saberem de que forma é que os produtos chegam aos clientes".

Actualmente, o serviço é pensando para as contas de 'Gmail', utilizadas através dos navegadores 'Firefox' ou 'Chrome', suporta também os produtos da 'Apple' - iPhone, iPad e iPod Touch - e 'Android', estando em desenvolvimento o suporte para outras contas como 'Hotmail' e 'Yahoo'. "O nosso objectivo é também desenvolver para ser utilizado pelo 'Outlook'", diz Roberto Varela, definindo-se com um "empreendedor".

Aos 35 anos, este licenciado em Ciências de Educação com uma pós-graduação em Gestão de Multimédia, há muito que ainda envolvido em projectos informáticos. Com 22 anos fundou a primeira empresa portuguesa na área dos vídeojogos. O 'Ugo Volt', um 'first person shooter' passado numa Lisboa futurista, chegou a ser cobiçado por algumas das grandes editores mundiais, depois de ter sido apresentado numa feira nos Estados Unidos. "Acabámos por 'morrer na praia', devido à burocracia portuguesa", lamenta. Mais tarde, já associado a Limor, liderou um projecto relacionado com robótica em parceria com o Instituto Superior Técnico.

Também o 'BrandMyMail' nasceu de uma parceria com a Universidade da Madeira (UMa), através do programa '+Conhecimento', beneficiando muito com o protocolo entre a UMa e a Carnegie Mellon University. "Temos professores e alunos envolvidos neste projecto, que neste momento está ainda numa fase de desenvolvimento", afirma Roberto Varela, que também foi jornalista durante alguns anos.

O trabalho que está a ser desenvolvido na sala 13 do CEIM passa muito por "corrigir alguns bugs" do programa, estudar o 'feedback' que têm recebido dos muitos utilizadores espalhos pelo mundo. "Temos 'users' nos Estados Unidos, Espanha, Brasil, Rússia e até no Cambodja", conta, dizendo que à medida que o programa vai sendo conhecido o número sobe. "Se alguém escrever sobre ele num 'blog', ou um 'site' especializado falar sobre o 'BrandMyMail' o número de utilizadores desse país aumenta logo".

O 'BrandMyMail' foi apresentado em Silicon Valley, nos Estados Unidos no principal canal da indústria da internet, o 'TechCrunch.com'. A novidade não passou despercebida para a revista 'Forbes', que publicou uma notícia elogiosa sobre este programa 'made in Madeira'. O 'software' foi também 'ferramenta do dia' no 'site' '10.000Words'.

"Estamos confiantes, o 'feedback' tem sido positivo e contamos lançar a versão paga dentro de dois meses", explica, precisando que o valor deverá rondar os 30 euros anuais por cada conta de 'email'. Uma quantia "insignificante", face às vantagens e ao retorno que as empresas vão ter.