Enchente premeia escolha das bandas

As expectativas eram altas e o público disse "presente" na 2ª noite 'rockeira' do Funchal Music Fest. Hoje, o festival fecha com os cabeça-de-cartaz internacionais James

21 Ago 2011 / 02:00 H.

O Funchal Music Fest - Live 2011 (FMF) continua em grande. Ontem, segundo dia de festival, foram ainda mais as pessoas que se deslocaram ao Parque de Santa Catarina para ver aquele que será o maior evento musical pop/rock até à data na Madeira, integrado nas comemorações do Dia da Cidade do Funchal que hoje assinala-se oficialmente. E para celebrar esta data, fechando igualmente em grande o festival, o FMF terá hoje o 'dia' mais forte: além do punk/rock dos Fonzie e das sonoridades diversificadas do mulfifacetado músico e compositor David Fonseca, há o concerto da banda internacional e cabeça-de-cartaz James. Depois, a festa muda-se para a discoteca Copacabana do Casino da Madeira, onde se realiza a 'after party' final do FMF com o DJ Sérgio Soares e o VJ Vircious.

Entretanto, ontem à tarde, mesmo antes dos concertos da segunda noite, enquanto uns se deleitavam na relva do parque, outros divertiam-se pelo recinto, ora desafiando a sorte no slide, ora na luta de gladiadores, ora no touro mecânico. E ainda a alguns minutos de se iniciar o primeiro concerto, várias dezenas aguardavam nas primeiras filas para ver o arranque de uma noite musical, quiçá, a mais 'rockeira' deste festival, já que apresentava no alinhamento os sons 'explosivos' dos Xutos e Pontapés. Contudo, a abertura (com meia hora atraso, ou seja, às 20h30) coube à música mais pop e cativante de Rita Redshoes (que não surgiu em palco com os 'sapatos vermelhos'), que veio apresentar sobretudo o seu mais recente disco de originais intitulado 'Lights & Darks'. Entre baladas e outras nem tanto, a cantora lá seguiu um alinhamento que cruzou temas mais antigos com os mais recentes como 'Captain of my Soul', 'Jungle 81' e 'The Beginning Song'. "É um prazer enorme estar aqui pela primeira vez", disse, recebendo palmas em troca.

Já o segundo momento da noite deu-se às 21h30 com o início do segundo concerto, a cargo de Paulo Furtado, ou melhor, The Legendary Tigerman, que teve energia 'a potes' e um bom alinhamento de temas, não deixando 'afrouxar' a multidão que estava à sua frente. Temas como 'Life ain't enough for you' (com um dueto virtual via projecção vídeo com Asia Argento, filha do célebre realizador de filmes de horror) e 'This boots are made for walking' marcaram a actuação do 'homem-de-uma-banda-só'. "Muito obrigado, é um prazer estar aqui na Madeira", disse o músico, cuja actuação antecedeu a terceira e última banda da noite, os Xutos e Pontapés, cujo concerto, infelizmente, o DIÁRIO não lhe pode dar conta nestas páginas devido ao adiantado da hora e às exigências do fecho da edição.

Certo é que muitos vieram este sábado quase só para ver Xutos e Pontapés, que não deverão ter defraudado as expectativas.

Rita Redshoes e 'Tigerman' abrem o 'livro'
Antes do concerto, em declarações ao DIÁRIO, Rita Redshoes mostrava-se entusiasmada com esta vinda à Madeira. A sua ultima estadia na ilha foi para uma actuação na FNAC, onde foi muito bem recebida por um público caloroso. Afirmou que esperava ver este público novamente na sua actuação no Funchal Music Fest e revelou que gosta especialmente de tocar mais cedo que o normal, pois o seu concerto estava previsto para realizar-se à hora do jantar e esperava não houvesse nenhum inconveniente em relação a isso. Certo é que o concerto contou com os temas do novo álbum 'Lights & Darks', com alinhamento e disposição em palco, que são elementos habituais do seu concerto.   Já The Legendary Tigerman (Paulo Furtado), ao DIÁRIO, disse que a última vez que esteve na Madeira foi para tocar na FNAC.

Afirmou ter sentido que as pessoas tinham muita vontade de ouvir a música, e desta vez espera que o público esteja dentro da música e que também venha para se divertir. Paulo Furtado revela que o 'Tigerman' é uma parte de si, é um homem que tem um determinado universo, um espaço que ocupa algumas limitações e barreiras. Quer estender a sua música internacionalmente, para ter alguma liberdade artítisca. Os seus temas recorreram desde o seu primeiro álbum até a 'Femina', com convidadas virtuais (leia o texto principal).

Alinhamento de hoje

  • Se tem saudades de músicas como 'Sometimes', 'Getting Away With It (All Messed Up)', 'Laid', 'Sit Down' e 'Born of Frustration' não pode deixar passar a oportunidade de ver James ao vivo, hoje à noite, no fecho do Funchal Music Fest - Live 2011 (FMF). A banda, que é a cabeça-de-cartaz da última noite e do FMF, é encabeçada pelo carismático vocalista Tim Booth e vai certamente agradar a várias gerações. Formados em 1981, os James já venderam mais de 25 milhões de cópias de discos em todo o Mundo, e continuam a realizar digressões por vários países. A não perder.
  • Depois dos êxitos do platinado 'Dreams in Colour' como 'Superstars' e 'Kiss Me, oh Kiss Me', David Fonseca é o segundo da noite a actuar no FMF, onde tocará músicas do novo CD, 'Between Waves'.
  • São a única formação de punk/rock que se apresenta no FMF. Chamam-se Fonzie e é deles a responsabilidade de abertura da última noite do festival, às 20 horas, no Parque de Santa Catarina.
Opinião: Qual o melhor 'dia' do Funchal Music Fest?

João  Francisco Ferreira, 17 anos, Caniço
"Hoje [ontem] é o melhor dia do festival, Xutos e Pontapés são interessantes, gosto do estilo".

Carla Brazão,
17 anos, Funchal
"Xutos e Pontapés é a minha banda preferida, tem muita vida,  uma das melhores bandas portuguesas, senão mesmo a melhor".

André Teixeira,
19 anos, Ponta de Sol
"É uma óptima iniciativa que aqui na Madeira não costuma haver, os três dias para mim são bons, é impossível escolher".

Carolina Teixeira,
17 anos, Funchal
"Eu não sei bem, pensava que o  primeiro dia ia ser o melhor, mas estou à espera do espectáculo dos Xutos e amanhã [hoje] dos James".

Wilson Gouveia, 18 anos, Funchal

"Hoje [ontem] e amanhã [hoje] vai ser bastante bom, quero ver este sábado os Xutos e Pontapés e no domingo os James".

Outras Notícias