Coelho é candidato a Presidente da República

Candidatura será apresentada publicamente esta semana, no Funchal

01 Nov 2010 / 02:00 H.

Cavaco Silva vai ter mais um adversário pela frente nas eleições presidenciais agendadas para 23 de Janeiro do próximo ano. José Manuel Coelho, actual deputado do PND na Assembleia Legislativa da Madeira, vai apresentar a sua candidatura ao cargo em cerimónia a realizar esta semana no Funchal.

Ao que pudemos apurar, José Manuel Coelho assume-se como um candidato apartidário e anti-sistema e o seu programa eleitoral vai assentar em três vectores. Em primeiro lugar, o combate e denúncia da corrupção. "Sem um combate eficaz à corrupção, não há medidas de austeridade que resistam e que salvem o país", assegura. A segunda 'bandeira' é a eliminação das regalias e privilégios da classe política portuguesa: "Quero denunciar e corrigir os salários dos 'boys' políticos, pois os dois grandes partidos do bloco central - PSD e PS - vão-se alternando no poder e distribuindo entre si esses cargos com remunerações imorais". O terceiro vector é a moralização dos tribunais e do sistema de justiça. "A justiça portuguesa, em vez de defender o interesse do país, está ao serviço das máfias que roubam o povo português. É por isso que no continente todas as grandes investigações em casos de corrupção acabaram em arquivamento. Aliás, se fosse num país do norte da Europa, o nosso primeiro-ministro já tinha sido afastado", esclarece.

O processo de candidatura é para concretizar e está mesmo numa fase avançada. José Manuel Coelho pretende "percorrer Portugal de Viana do Castelo a Faro, porque esta é uma candidatura nacional, não é só madeirense". Já há manifesto, lema, hino e vídeo oficiais. A fórmula a ser utilizada é pouco convencional mas semelhante à que garantiu, em 2007, a eleição do primeiro deputado do PND no parlamento madeirense - tudo com recurso ao humor mas com mensagem séria pelo meio.

Também já há uma logística preparada para apoiar o projecto presidencial de Coelho. A recolha das 7.500 assinaturas necessárias para formalizar a candidatura também está em curso, sendo que a comissão de apoio a José Manuel Coelho vai recorrer às redes sociais na Internet. Os proponentes podem descarregar o formulário da Internet, enviam-no por correio e em troca recebem um brinde (um CD com o hino ou video da campanha).

Bilhete de identidade

José Manuel da Mata Coelho tem 58 anos, é casado e tem duas filhas. É natural e residente na freguesia de Santa Cruz. Pintor da construção civil, tem o 12.º ano de escolaridade e chegou a frequentar a licenciatura em Física. Nas eleições de 2007 era o 3.º da lista do PND mas, até agora, tem sido quem mais tempo tem ocupado o cargo de deputado conquistado por aquela força. Tem protagonizado discursos e actos polémicos no parlamento regional, como quando exibiu uma bandeira nazi cujo regime comparou àquele que o PSD impõe na Madeira. No dia seguinte ao desse episódio, foi impedido de entrar na Assembleia para a qual fora eleito, num caso único na democracia portuguesa. Assume-se como comunista e militou no PCP. Chegou a ir à União Soviética em 1981. Mas a sua rebeldia e independência de pensamento e actuação valeu-lhe o afastamento.

O que diz dos outros

Na óptica do candidato madeirense, os outros cinco políticos que se apresentam nesta corrida ao Palácio de Belém "não têm nada a dizer ao país, não têm chama e não entusiasmam o povo português".

Cavaco Silva - "tem sido um Presidente do tipo corta-fitas e papa jantares como o foi o almirante Américo Tomás. Ele não intervém na vida pública do país. A gente vê o descalabro financeiro do país e não vemos ele ter uma política pró-activa, mas apenas um neutralismo colaborante. E isso não admira, porque ele foi o pai do défice, pois durante os dez anos em que foi primeiro-ministro começou o despesismo e o descalabro das contas públicas".

Manuel Alegre - "é outro candidato cinzento, pois enquanto andavam os camaradas dele a roubar o país, com despesas faraónicas, o dr. Manuel Alegre andava a fazer versos".

Outras Notícias