Carlos Costa prepara disco de estreia para o Natal

O Jovem apostou em compositor e letrista para criar os temas originais

02 Jul 2010 / 02:00 H.

Carlos Costa está a gravar o seu primeiro disco, que espera poder lançar no Natal. O jovem madeirense terceiro classificado do concurso televisivo 'Ídolos' actua amanhã, dia 3 de Julho na Madeira, no âmbito da Semana do Mar, o cartaz de festas mais forte do Porto Moniz, que começou ontem e termina no domingo. Ao DIÁRIO confessou que não estava nada à espera que a vida desse esta volta: "Foi uma coisa que foi acontecendo e sem me aperceber já estou há um ano e meio envolvido nisto. Já foi há um ano e meio quase que fui ao 'casting' dos Ídolos e parece incrível".

Disco ao estilo de Beyonce

Para já ainda não há nome apontado para o trabalho, um disco de pop dançável, ao estilo de Beyonce, que muito aprecia. O álbum de estreia do jovem cantor está em fase de gravação em estúdio. Será feito exclusivamente de temas originais de um compositor e um letrista que prefere para já não divulgar. As pessoas que escolheu para trabalhar neste projecto, disse no entanto, são pessoas que estão há muitos anos no mercado da música nacional e internacional. Um deles, acrescentou, "é um grande compositor europeu", autor de temas para o Festival da Canção desde o início, e rampa de lançamento para nomes conhecidos: "[Ele] Criou grandes sucessos portugueses, criou os álbuns de lançamento de grandes artistas, que hoje em dia são grandes nomes. Este compositor pegou neles e disse vais lançar-te com isto, vais ter sucesso, e assim foi, por isso espero conseguir também".

Alguns temas já estão prontos. O disco poderá ter entre dez e 14 faixas, "depende do que surgir e do material que realmente merece estar no álbum", disse.

Trabalho em estúdio

A fase de trabalho em estúdio não é das que mais gosta. Carlos Costa define-se como uma pessoa de palco e por isso, embora assuma o primeiro disco como "muito importante", acaba por ser "mais monótono, chato, mas acho que representa o início de uma nova época da minha vida". O cantor vai lançar o disco com temas originais para posteriormente poder ter o seu concerto, sendo o primeiro o de lançamento do trabalho, adiantou.
Actualmente o que tem é uma digressão do 'Carlos do Ídolos'. "São os meus concertos a solo, só que é muito 'o Carlos do Ídolos', com 'covers', com temas que foram cantados nas galas e não só". É este concerto que apresenta amanhã. Dia 23 e 24 de Julho está em Cabo Verde. Angola, Paris e Açores estão em negociação. Com o disco de lançamento, vai montar um concerto semelhante ao que leva ao Porto Moniz, só que com temas originais, bailarinas e com roupas criadas por um estilista que está a escolher.

Banda na Madeira

Actualmente Carlos Costa trabalha com uma banda de nove músicos, com uma equipa de bailarinos e um coreógrafo (Augusto Gonçalves). Para os concertos na Região tem uma banda montada por Ricardo Dias, uma forma de tornar mais competitivo o seu espectáculo, pois inclui menos viagens.
Actualmente está voltado para a música e para o disco de estreia. Mantém os compromissos com a digressão 'Idolomania' e sonha com o depois.

À espera da televisão

Da televisão, já surgiram algumas propostas, confirmou, mas foram de canais concorrentes. "Como é obvio, ainda não posso aceitar propostas desse tipo, mas assim que possa, terei todo o gosto em aceitar para experimentar o lado da representação em televisão". Entre as propostas, uma foi para fazer parte da telenovela "Morangos com Açúcar", que lhe chegou através de uma agência.

Um artista com limites

"Devemos saber admitir aquilo que somos capazes e não somos capazes de fazer. Sou capaz de cantar uma música muito bem cantada, sou capaz de fazer uma dobragem muito bem feita de um desenho animado. Sei que consigo trabalhar muito bem como cantor e como actor, inclusive como modelo para publicidade. Agora a nível de composição e autoria de letras é mais complicado", reconheceu Carlos Costa. Esta aceitação é a razão porque nem tentou compor as suas próprias canções quando começou a pensar num disco de lançamento.

Assume que não tem vontade de compor para cantar: "Sinceramente acho que isso é algo que devo deixar quem percebe", disse.
Esta é mais uma prova da procura da perfeição que demonstrou em palco durante o concurso 'Ídolos', na SIC, quando estava atento aos pormenores.
"Não tenho de todo dom para escrever ou criar música. O meu potencial é vocal, é a minha voz, a minha dança e a minha presença em palco. O resto, passa-me um bocado ao lado", confessou.

Paula Henriques