400 mil em caminhos do Parque Ecológico

19 Mai 2017 / 02:00 H.

A Câmara do Funchal assinou ontem a minuta do contrato com a empresa que vai recuperar caminhos pedestres no Parque Ecológico do Funchal. A medida foi anunciada pelo presidente da autarquia, no final da reunião com os vereadores.

Paulo Cafôfo sublinha que os caminhos no Parque Ecológico sofreram com a erosão devido às condições climatéricas daquela zona, mas também com os últimos incêndios. O plano de recuperação que agora vai ter início custa cerca de 400 mil euros, um investimento que o autarca considera importante, quer ao nível do turismo, quer ao nível da segurança, permitindo uma intervenção mais eficaz em caso de novos incêndios.

Ainda no domínio da segurança e dos fogos, Cafôfo revelou que foi também aprovado um investimento de quase 50 mil euros para a elaboração de projectos de taludes na cidade. Essa decisão decorre também dos estragos verificados na sequência dos incêndios de Agosto do ano passado. Depois da limpeza inicial, a autarquia diz que agora é preciso consolidar dois desses taludes: um sobre a rua Pestana Júnior e outro na Levada dos Moinhos, perto dos Viveiros.

Foi ainda abordado o Regulamento de Bombeiros Sapadores do Funchal. O presidente da Câmara nota que o existente vem de 1955 e está completamente desactualizado. Na altura, recorda Paulo Cafôfo, era ainda o Regulamento Municipal de Salvação Pública do Funchal. O novo documento, sujeito a pareceres das entidades representativas dos bombeiros, tem outro enquadramento legal e um conjunto de regras e princípios hierárquicos, mas também de valorização profissional.

Finalmente, foi aprovada a concessão do estabelecimento comercial no Parque de Santa Catarina. Esse espaço vai render à autarquia uma receita mensal de 2.167 euros.

Além destas deliberações, aprovadas por unanimidade, a reunião de ontem deu atenção a temas relacionados com o Imaculado Coração de Maria, onde a autarquia termina o ciclo das ‘Presidências Abertas’, que passou pelas 10 freguesias do Funchal. A esse nível, Cafôfo destacou dois projectos: a nova sede da Junta e Centro Cívico, na antiga escola do Poço da Câmara, e o programa ‘Amianto Zero’, que permitirá que a população que vive na Penha de França seja alojada no novo edifício a construir nos Viveiros. A propósito, Cafôfo lembrou que o esse empreendimento tem financiamento aprovado e até já foi adjudicada a obra. Falta o visto do Tribunal de Contas.

Outras Notícias