Gil Canha retira acção popular se praia for livre para a população

28 Fev 2014 / 20:47 H.

O vereador da Câmara do Funchal Gil Canha prometeu hoje retirar a acção contra a empresa hoteleira Quinta do Lorde se esta permitir o acesso livre da população da Madeira à praia ali existente e que agora está interditada.

"A condição principal é a administração da Quinta do Lorde tornar livre e gratuito o acesso da população à praia existente defronte do complexo e que sempre foi usufruída livremente pelas pessoas", disse à agência Lusa Gil Canha.

Outra condição é a empresa se comprometer a fazer, anualmente, uma conferência sobre a Reserva Natural da Ponta de São Lourenço e a Rede Natura 2000, onde está inserido o complexo, bem como retirar as ações movidas contra os ativistas políticos e ambientalistas que há cinco anos moveram uma ação popular, que os tribunais indeferiram, por considerarem que o projeto contrariava as regras do Plano Diretor Municipal de Machico, o Parque Natural, a Reserva Natural da Ponta de São Lourenço e a Rede Natura 2000.

Alfredo Firmino, responsável pela área de vendas da parte imobiliária do empreendimento, disse, por seu lado, à Lusa, que a reunião de mais de duas horas com Gil Canha foi "inconclusiva".

"Não sabemos o que vamos fazer porque [Gil Canha] reivindica que as cinco ações movidas contra ele e outros ativistas devem ser também retiradas quando essas ações não têm nada a ver com a Quinta do Lorde, são de terceiros".

Gil Canha apelou ainda aos trabalhadores que hoje foram reivindicar junto da Câmara do Funchal - "entidade que nada tem com o caso", sublinha o autarca - que "o façam, agora, no Largo dos Varadouros, junto à Empresa Porto Santo Line, para sensibilizar o Grupo Sousa acerca das suas reivindicações".

Trabalhadores da empresa hoteleira Quinta do Lorde foram hoje sensibilizar o vereador da Câmara do Funchal Gil Canha para retirar a ação sobre os apartamentos e moradias do empreendimento, por considerarem que a ação os pode levar ao desemprego.

A Quinta do Lorde Resort Hotel Marina, inaugurado em junho de 2013, é um empreendimento turístico-imobiliário localizado no sítio da Piedade, na freguesia do Caniçal, no concelho de Machico, constituído por uma marina, um hotel com 111 quartos e por uma componente imobiliária com 103 apartamentos e 23 moradias, num investimento superior a 100 milhões de euros.

O ambientalista e vereador da Câmara Municipal do Funchal responsável pela área urbanística (eleito pela coligação de partidos "Mudança" em representação do PND), Gil Canha, é o autor de uma ação popular acionada há cinco anos contra o empreendimento por alegados atentados ao Plano Diretor Municipal de Machico.

Estas ações, no entanto, foram consideradas ilegais por dois Tribunal, mas Gil Canha apresentou recentemente uma outra ação popular com averbamento na Conservatória sobre todas as frações de apartamentos e moradias do empreendimento.

Para os trabalhadores, a atitude do vereador "está a criar um problema sério à Quinta do Lorde de tal forma que corre o risco de os seus funcionários irem todos para o desemprego".

Lusa