MP acusa dois arguidos por actividade bancária ilícita na Madeira

Actos terão lesado várias pessoas em cerca de um milhão de euros

23 Abr 2013 / 16:18 H.

O Ministério Público na comarca de Santa Cruz, Madeira, acusou dois arguidos pelo crime de recepção de depósitos que lesaram várias pessoas em cerca de um milhão de euros, informa hoje a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

"De acordo com os indícios, um dos arguidos, funcionário de uma agência bancária, aliciava os clientes da mesma para que transferissem as respectivas poupanças para contas suas ou de uma sociedade irregular de corretagem que havia constituído com o outro arguido, de forma a que as quantias pudessem por eles ser investidas em operações bolsistas ou no mercado internacional de valores", refere a PGDL no seu sítio na Internet.

A mesma informação dá conta que "os factos vieram a ser conhecidos por denúncia das vítimas, confrontadas com perdas gigantescas das respectivas economias, sendo certo que só em relação a uma delas essas perdas se cifram acima dos 273.000,00 euro, e, no global, a cerca de um milhão de euros".

"O inquérito foi arquivado relativamente a um eventual crime por burla qualificada visto que, apesar de às vítimas ser prometido o pagamento de juros entre 8 e 11%, estas se encontrarem perfeitamente a par de que as quantias iriam ser investidas em ações e outros produtos financeiros de risco", acrescenta a PGDL.

Lusa

Outras Notícias