Rui Alves acusa arbitragem de prejudicar o Nacional

11 Fev 2018 / 19:14 H.

No final do jogo com o Covilhã, o presidente do Nacional, Rui Alves, deslocou-se à sala de imprensa do Estádio da Madeira, no lugar do treinador Costinha, para dirigir fortes críticas ao trabalho da equipa de arbitragem dirigida por Carlos Espadinha, de Portalegre.

“Não consigo calar, neste momento, a revolta daquilo que está a acontecer na II Liga nos jogos disputados pelo Nacional”, começou por referir o dirigente alvinegro, acrescentando que “há a sensação de que algo se move no sentido de impedir aquilo que seria normal, face à superioridade que o Nacional tem em relação à concorrência”, numa alusão àquilo que apelida de “arbitragens algo anormais”.
Depois de recordar os jogos com o Arouca e o da passada jornada com o Famalicão, onde considera que o seu clube foi penalizado por decisões dos árbitros, Rui Alves virou-se para a arbitragem deste tarde. “Foi um penálti claríssimo praticamente no início do jogo, o deixar um anti-jogo permanente, um jogador que, depois de ser admoestado com um cartão amarelo, tem um comportamento indecoroso para o árbitro e não teve deste qualquer reacção, uma falta claríssima sobre um nosso jogador que determinou a sua saída e a manutenção deste atleta em campo e, na sequência disso, o golo do Covilhã”, enumerou o dirigente, acentuando que “foram coisas a mais para eu considerar que são normais”.

Nesse sentido, o presidente anunciou que o Nacional pondera apresentar uma exposição ao Conselho de Arbitragem e deixou uma certeza: “Mesmo que não queiram, podem ter a certeza que o Nacional é muito superior aos outros e vai vencer este desafio contra tudo e contra todos e vamos estar na I Liga na próxima temporada”.

Outras Notícias