Presidente do Marítimo despreocupado com queixas do relvado dos Barreiros

11 Set 2017 / 15:09 H.

O presidente do Marítimo, Carlos Pereira, disse hoje estar despreocupado com a eventual queixa do Rio Ave à Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) sobre o estado do relvado nos Barreiros.

Rio Ave e Estoril-Praia jogaram no terreno do Marítimo, onde perderam por 1-0, e no final da partida, os treinadores dos dois clubes criticaram a qualidade do terreno de jogo.

Carlos Pereira respondeu e teve dois nomes na mira: Miguel Ribeiro, diretor desportivo do Rio Ave, e João Ribeiro, administrador da SAD do Estoril-Praia.

“A minha grande preocupação é com a nossa instituição. Com a instituição dos outros pouca referência faço, mas penso que convém os Ribeiros se entenderem, quer do Rio Ave quer do Estoril-Praia, porque o Ribeiro do Rio Ave não está em sintonia com o seu presidente”, começou por dizer aos jornalistas, à margem da abertura do ano escolar no Colégio do Marítimo.

O presidente dos ‘verde rubros’ considera as queixas do Rio Ave “desculpa de mau pagador” e explicou porquê de dizer que Miguel Ribeiro estar dessincronizado com António Silva Campos, presidente dos vila-condenses.

“A irreverência da sua juventude pode levar até a ultrapassar as conversas tidas com o presidente do Rio Ave, que acabou também, à data, me pedir desculpa pelas condições do estado do relvado do Rio Ave há dois anos, em que, aí sim estava impraticável e nós compreendemos porque o tratamento de relva é uma coisa complicada. Jogámos sem nenhuma reclamação”, revelou.

Carlos Pereira deixou ainda no ar a hipótese de oferecer uma ‘prenda’ de aniversário ao diretor desportivo do Rio Ave, antes de deixar um recado sobre a hierarquia no futebol.

“Não vejo razões para tanto alarido, a não ser que tenha no dia de aniversário do Miguel Ribeiro de lhe oferecer uns óculos para ele conseguir ver melhor a relva e não fazer confusão entre o tratamento, o produto, a areia e o relvado. É um direito que lhe assiste e eu vou respeitar e vou estar pouco preocupado. Não está em sintonia com a classe do seu presidente. Os funcionários quase querem mandar mais que os presidentes”, acrescentou.

O Estoril-Praia também foi visado, depois de o técnico Pedro Emanuel não ter gostado do ‘tapete’ no Estádio do Marítimo, onde os ‘canarinhos’ foram eliminados da Taça da Liga.

“Espero que lhe [Miguel Ribeiro] aconteça o que aconteceu com o Pedro Emanuel e com o Ribeiro do Estoril porque agora não vai dizer que o problema foi do relvado. Se acha que o seu relvado põe a jogar, devia jogar um pouco mais e o Estoril não devia ter perdido como perdeu ontem [no domingo]”, afirmou, referindo-se ao desaire por 2-0 com o Moreirense.

O Marítimo recebe o Desportivo das Aves, no sábado, pelas 16:00, no terceiro jogo seguido nos Barreiros, para a sexta jornada da I Liga.

A equipa madeirense joga depois duas vezes fora - com o Sporting, para a Taça da Liga, e com o Vitória de Guimarães, para o campeonato - antes de receber o Benfica a 01 de outubro, dia das eleições autárquicas, pelas 20:15.

Outras Notícias