Presidente do Marítimo deixa críticas à arbitragem no Bessa e pretende alterações

02 Fev 2018 / 12:08 H.

O presidente do Marítimo, Carlos Pereira, criticou hoje o árbitro do jogo com o Boavista, que os insulares perderam 2-1, e revelou que vai intervir junto do Conselho de Arbitragem, pretendendo alterações para a “melhoria do futebol português”.

O lance em causa é a grande penalidade assinalada aos 40 minutos por Bruno Esteves, por alegada mão de Diney, quando os insulares venciam por 1-0.

“Achei uma triste arbitragem. Um lance em que teve uma abordagem à bola deficiente e nós temos de assumir as nossas responsabilidades, mas isso não invalida que se possa penalizar o jovem atleta, que está numa fase de crescimento, com um lance em que não contribuiu para a decisão do árbitro”, comentou aos jornalistas, após a apresentação do reforço Jorge Correa.

Carlos Pereira já prometeu intervir e revelou estar a preparar uma resposta dirigida ao Conselho de Arbitragem, com o intuito de contribuir para a “melhoria do futebol português”, para ser um “produto credível” e terminar com as “insuficiências e indecisões”.

“Nós estamos a montar uma peça para apresentar ao Conselho de Arbitragem, não que vá alterar a decisão infeliz do árbitro. [Mostrar] os termos comparativos com lances que têm acontecido, para ver a dualidade de critérios, para se mudar aquilo que temos vindo a dizer que é importante mudar: o protocolo entre o IFAB (International Board) e a Conselho de Arbitragem”, disse.

O dirigente considera que os árbitros estão a relegar as suas obrigações para o VAR (vídeoárbitro) e pretende mudanças, para retirar pressão sobre os intervenientes e acabar com quaisquer dúvidas.

“O árbitro deveria ter a obrigação, não só naquele caso, mas em todos os casos, de confirmar ele mesmo. Por isso é que ele é árbitro, por isso é que ele é juiz e, se é juiz, a decisão é dele. O que dá a entender hoje é que cada um quer sacudir a água do seu capote, cada um quer transmitir para o outro a responsabilidade sua e os árbitros estão a fazer isso. Estão a transmitir para o VAR uma responsabilidade que devia ser sua, porque são soberanos na sua decisão”, salientou.

Outras Notícias