Marítimo procura plantel “mais competitivo” na reabertura do mercado

02 Jan 2018 / 14:12 H.

O treinador do Marítimo, Daniel Ramos, salientou esta terça-feira o desejo de ver a sua equipa mais equilibrada e competitiva com a reabertura do mercado de transferências de futebol, neste mês de janeiro.

“O que eu quero que o mês de janeiro me traga é competitividade. Um plantel mais equilibrado ainda, mais competitivo, mais capaz de poder dar respostas porque a exigência da segunda volta vai ser ainda maior”, destacou na conferência de imprensa de antevisão da partida de quarta-feira, com o Desportivo de Chaves, para a 16.ª jornada da I Liga portuguesa.

A razão pela qual o técnico acredita que o grau de dificuldade para a segunda metade da época vai aumentar é o reajustamento pelo qual as equipas vão passar e, com isso, a exigência também irá crescer.

“Todos os plantéis estão a ajustar e toda a gente, à partida, vai para melhor. Na tentativa de que se não for para melhor, muito idêntico ao que fizemos até aqui porque melhor é extremamente difícil”, comentou.

Daniel Ramos admitiu que Janeiro é um mês complicado, sobretudo em gerir o estado mental dos jogadores, mas deixou uma garantia aos jogadores do plantel e também a eventuais reforços.

“Quem chega, tem de perceber que não vai ter de ‘mão beijada’ a oportunidade para jogar, mas tem de fazer para merecer e quem está, vai continuar a ter confiança da nossa parte para jogar e ter oportunidades”.

Daniel Ramos, afirmou também que pretende vencer o Desportivo de Chaves, na 16.ª jornada da I Liga de futebol, e bater o recorde de pontos dos insulares na primeira volta.

A melhor marca pertence ainda à equipa da época 1999/2000, na qual Nelo Vingada conseguiu somar 29 pontos e, agora, com 27, Daniel Ramos está a uma vitória de colocar, mais uma vez, o seu nome na história do clube: “Esse é um objectivo imediato, como era o de superar a marca do ano passado, dos 26 pontos e já temos 27. Porque não agora conseguirmos 30? Temos dois jogos pela frente. Temos este agora em casa, o que nos dá essa grande vantagem porque temos sido fortes e muito competentes em casa. Vamos tentar ao máximo fazê-lo, somando mais três pontos”, disse na conferência de imprensa.

Após ter ficado pelo caminho na Taça de Portugal e na Taça da Liga no mês de dezembro, o Marítimo inicia o novo ano apenas inserido no campeonato, competição em que todas as atenções estão viradas: “Agora, vamo-nos orientar com todas as nossas forças para o campeonato. Estamos ainda na primeira volta e numa sequência de jogos elevada. Temos agora um regresso à normalidade, que é jogarmos só para a Liga. O que desejamos é passar esta fase com o máximo de capacidade de resposta”, vincou.

Daniel Ramos reconheceu que a equipa está limitada, devido a algumas ausências, e que, por isso, é preciso puxar pela “força do Marítimo, que foi sempre o todo”, havendo confiança entre plantel e equipa técnica.

O adversário dos ‘verde rubros’, o Desportivo de Chaves, não joga desde o empate caseiro (1-1) com o Rio Ave, em 17 de dezembro, mas o treinador maritimista não acredita que isso traga vantagens ao seu grupo.

“Não deixaram de treinar e não me parece que isso seja significativo. Não podemos dizer que isso enfraquece. Iremos ter um Chaves também a gerir o seu trabalho, a ter a resposta que normalmente dá, com ou sem paragem”, respondeu.

O Marítimo, quinto classificado, com 27 pontos, recebe o Desportivo de Chaves, nono, com 19, pelas 18:15 de quarta-feira.

Tópicos

Outras Notícias