Ex-jogadores do Oriental receberam 7.500 euros para perderem contra o Penafiel

09 Mar 2018 / 02:22 H.

Quatro ex-jogadores do Oriental receberam, cada um, 7.500 euros, para perderem frente ao Penafiel, na época 2015/2016, disse ontem em tribunal um inspetor da Polícia Judiciária, no processo ‘Jogo Duplo’, relacionado com viciação de resultados no futebol.

O julgamento, que decorre em Lisboa, conta com 27 arguidos, oito deles antigos jogadores do Oriental de Lisboa, bem como ex-futebolistas da Oliveirense, do Penafiel e do Académico de Viseu, além de dirigentes desportivos, empresários, um elemento de uma claque e outras pessoas com ligações ao negócio das apostas desportivas.

Na segunda sessão, o coordenador da investigação criminal da Polícia Judiciária (PJ) explicou ao coletivo de juízes que receberam, em 27 de abril de 2016, uma denúncia a dar conta que o jogo Oriental--Leixões, ocorrido três dias antes, “tinha sido manipulado” e que o Penafiel--Oriental, da jornada seguinte, que se realizaria em 30 de abril, “também seria manipulado”.

Esta denúncia esteve na origem do inquérito crime, enquanto o jogo disputado entre Penafiel e Oriental foi o primeiro jogo de futebol da II Liga, no âmbito deste processo, monitorizado e vigiado pela PJ.

O inspetor contou que nas escutas telefónicas, entretanto autorizadas, foi possível apurar que o arguido e ex-jogador do Oriental Diego Tavares transmitiu aos arguidos Carlos Silva, conhecido como ‘Aranha’ e elemento da claque Super Dragões, e Gustavo Oliveira, empresário, ambos intermediários dos investidores da Malásia, quais os jogadores “que estavam dispostos a perder o jogo”.

Diego Tavares, Rafael Veloso (guarda-redes), João Pedro Carvalho e André Almeida, todos titulares nessa partida, receberiam, cada um, 7.500 euros, para que ajudassem na derrota do Oriental, tendo ficado agendado um encontro, para o dia do jogo, entre Carlos Silva e Gustavo Oliveira, e os quatro jogadores, no hotel onde se encontrava a equipa lisboeta, no norte do país.

Os inspetores da PJ alugaram então o quarto 115, que ficava ao lado daquele que havia sido alugado pelos arguidos Carlos Silva e Gustavo Oliveira para se encontrarem com os quatro futebolistas.

O coordenador da PJ acrescentou que os dois intermediários faziam chamadas de vídeo para provar aos dois investidores/apostadores malaios, considerados pela acusação como a associação criminosa da parte asiática, “que os jogadores abordados estavam controlados”.

O responsável pela investigação relatou que ficou acordado entre todos que o Oriental tinha de perder nas duas partes do jogo, uma vez que havia apostas para os resultados parciais dos primeiros e dos segundos 45 minutos da partida.

Ao intervalo o Oriental perdia por 2-1 e o resultado final ficou 4-2, ambos resultados pretendidos pelos arguidos.

Na segunda parte, quando o resultado estava em 3-2, o arguido Diego Tavares, entretanto substituído, foi ao balneário e trocou mensagens com o arguido Carlos Silva, perguntando-lhe se chegava o resultado de 3-2, ao que Carlos Silva respondeu que era necessário sofrerem mais um golo, para assim também perderem na segunda parte.

“Após os 80 minutos o Oriental sofre mais um golo, numa má intervenção do guarda-redes Rafael Veloso”, descreveu este coordenador da PJ, acrescentando que os arguidos receberam, mais tarde, num hotel de Lisboa, o resto dos 7.500 euros acordados.

O inspetor da PJ disse que um jogo da II Liga de Futebol Profissional em Portugal movimenta, em média, a nível mundial, cerca de 30 milhões de euros.

O responsável pela investigação declarou ainda que, através das escutas telefónicas, foi possível perceber que este esquema de manipulação de jogos da II Liga já vinha da “época anterior” e que era para manter “na época seguinte”.

Esta era, pelo menos, a vontade manifestada pelos dois investidores de origem malaia, que se deslocaram, por várias vezes, a Portugal para se encontrarem, em hotéis de Lisboa, com os intermediários e arguidos Carlos Silva e Gustavo Oliveira, de forma a combinarem e a coordenarem as ações.

O inspetor da PJ abordou outros jogos da II Liga, envolvendo, nomeadamente, Oriental, Leixões ou Oliveirense, entre outros clubes, onde houve combinação de resultados ou tentativas.

Outra das vertentes criminais descrita pelo coordenador da PJ tem a ver com o facto de alguns dos jogadores, arguidos no processo, apostarem, paralelamente, no jogo Placard, pois tinham prévio conhecimento de quem iria ganhar, obtendo assim dinheiro através destas apostas ilícitas.

Muitas das conversações entre os arguidos foram efetuadas pela aplicação de mensagens WhatsApp, - onde criaram grupos para comunicarem entre si -, que, à data, não era decifrável pelas autoridades.

Abel Silva, que também arguido processo, campeão mundial de sub-20 em 1989, na Arábia Saudita, esteve hoje presente na sessão, tendo manifestado vontade em prestar declarações, mas só o vai fazer, possivelmente, na próxima sessão, agendada para 22 de março.

Carlos Silva, conhecido como ‘Aranha’ e elemento da claque Super Dragões, Gustavo Oliveira, empresário, e Diego Tavares, ex-jogador do Oriental, continuam sujeitos à medida de coação de prisão domiciliária.

Em causa, estão crimes de associação criminosa em competição desportiva, corrupção ativa e passiva em competição desportiva e apostas desportivas à cota de base territorial fraudulentas.

Outras Notícias