Cidadão finlandês desaparecido foi encontrado morto no Funchal

Corpo foi reconhecido por familiar; PJ esteve a investigar mas afasta, para já, a hipótese de crime

14 Jan 2018 / 15:37 H.

O turista finlandês que estava desaparecido desde a noite de sexta-feira no Funchal foi encontrado morto em circunstâncias ainda não totalmente claras e que estão a ser investigadas pela Polícia Judiciária. Segundo apurou o DIÁRIO, o corpo de Ari Ahonen, de 35 anos, encontra-se no Gabinete Médico-Legal e já foi reconhecido pelo cunhado que viajou para a Madeira.

Sabe o DIÁRIO que da última vez que o cidadão finlandês foi visto com vida aconteceu no trajecto de táxi para casa.

O facto de o percurso não ter sido directo levantou suspeitas à Polícia de Segurança Pública que solicitou a intervenção do Departamento de Investigação Criminal da PJ. Contudo, os indícios recolhidos na observação primária afastam, para já, a possibilidade de ter havido a intervenção de terceiros.

De acordo com testemunhas, o cidadão estrangeiro apresentava sinais de embriaguez nessa noite de sexta-feira e não terá dado as orientações correctas ou perceptíveis ao motorista de táxi que acabou por andar às voltas ao invés de seguir um percurso directo até ao hotel Dorissol Estrelícia, onde estava hospedado.

O homem acabou por sair do táxi próximo de um outro hotel que não era o seu, na zona da Ajuda (São Martinho). Ter-se-á desequilibrado, caindo de um muro e fracturado a coluna vertebral.

Essa terá sido a causa da morte, uma tese que será devidamente averiguada cientificamente, com a realização do exame de autópsia pelo Gabinete Médico Legal do Funchal.

O cidadão estrangeiro encontrava-se de férias na Madeira juntamente com o filho, de 7 anos. Desde a notícia do desaparecimento do homem, a criança ficou à guarda do operador turístico TUI, conforme o DIÁRIO noticiou na edição impressa.