último comentário

Internet ajudou a alastrar 'epidemia' do plágio junto dos alunos

27/09/2013 19:15
Lusa
1 comentário
Foto Shutterstock
Etiquetas
alunos, internet, plágio
Ferramentas
+A  A  -A
Interessante
Achou este artigo interessante?
 

Quarenta a 60 por cento dos alunos já cometeram plágio, uma espécie de "epidemia" que se começa a registar cada vez mais precocemente e que alastrou com o aparecimento da Internet, foi hoje revelado.

Num colóquio sobre a temática na Universidade Católica de Braga, os especialistas convidados sublinharam que o plágio é "um problema muito sério, fraturante e global", que contribui para o baixo nível de desenvolvimento social, económico e político de um país.

Aurora Teixeira, da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, alertou que os estabelecimentos de ensino que descuram a problemática do plágio acabam por formar "ativos tóxicos".

"São pessoas que vão para o mundo do trabalho sem terem as qualificações necessárias para a sua futura vida profissional", referiu, lembrando que depois acontecem casos como prédios que desabam pouco depois de terminada a sua construção.

Disse ainda que as próprias crises económicas podem ter origem em falta de preparação adequada de quem dirige os destinos de um país.

O colóquio hoje realizado na Universidade Católica de Braga inseriu-se no âmbito do projeto "Genius", que durante dois anos analisou o fenómeno do plágio em sete países europeus.

"Os estudos referem que entre 40 a 60 por cento dos alunos já cometeram plágio", disse Paulo Dias, coordenador nacional daquele projeto, sublinhando que aquela prática tende a começar cada vez mais cedo.

Para este responsável, o plágio é um fenómeno "muito prevalente", que causa "muita preocupação" e que tem vindo a ganhar progressivamente novos adeptos, muito "por culpa" da Internet e da facilidade de acesso à informação que ela proporciona.

Paulo Dias defendeu que, mais do que detetar ou castigar, o importante é "promover junto dos alunos a mestria, a criatividade, o gosto de aprender, de saber e de fazer melhor".

"Muitas vezes, o aluno apenas tem interesse em tirar uma boa nota, para passar, para conseguir aprovação, e isso é meio caminho andado para o plágio. Mas se lhe for incutido esse gosto pelo saber, certamente que ele substituirá o 'copy paste' pelo estudo, pela investigação a sério", acrescentou.

Segundo Paulo Dias, há ainda um sentimento de impunidade que fomenta o plágio.

"Os alunos sentem que o plágio não é um risco muito elevado, porque na maioria dos casos ele nem sequer é detetado. Quando o é, o castigo fica, muitas vezes, por uma advertência ou pela diminuição pouco significativa da nota", referiu.

Admitiu que uma das formas de dissuadir o plágio pode passar pela adoção de medidas já em vigor nos países anglo-saxónicos, em que o aluno pode ser
expulso ou ver o curso anulado.

"Plagiar é roubar, plagiar é mentir, plagiar gera injustiça", disse José Henrique Brito, da Faculdade de Filosofia da Universidade Católica, deixando no ar a pergunta: "quantos incompetentes ocupam lugares para os quais não estão preparados?".

1

Comentários

Este espaço é destinado à construçăo de ideias e à expressăo de opiniăo.
Pretende-se um fórum constructivo e de reflexăo, năo um cenário de ataques aos pensamentos contrários.

1
updown

60% cometeu plágio e 40% mentiu.

O nome que será apresentado como autor do comentário.
O conteúdo deste campo é privado e não será exibido publicamente.

Outras relacionadas...

  • Plágio

    por Nelson Veríssimo

    06/09/2009 17:32 | Fraude não se limita, porém, ao irreflectido, preguiçoso ou espertalhão 'copiar e colar'.

  • Plágio frequente

    por Mariana Jesus, Aluna da UMa

    19/11/2010 03:00 |

  • Há plágios na Universidade

    DIÁRIO 2009-09-13 | Copiar textos da internet e apresentá-los como seus é prática comum

21/07 18:11

Concerto no miradouro do Cabo Girão

Orquestra de Bandolins da Casa da Cultura de Câmara de Lobos deu espectáculo no domingo

Espaço participação

Que análise faz ao estado do sector da saúde na Região?

Faltam vacinas e medicamentos, há razia na ortopedia e noutros serviços, tudo gira em torno do hospital e de uma ampliação contestada. Que importa mudar no sistema? O que falha na organização?