último comentário
Mas o que interessa se é continental ou...
por Enc. de Educação e Professor

Rescisões no Estado deixam em risco 214 mil funcionários públicos

Madeira tem 17 mil funcionários públicos

29/04/2013 10:08
Lusa
9 comentários
Ferramentas
+A  A  -A
Interessante
Achou este artigo interessante?
 

Os funcionários públicos continuam na 'mira' do Governo, com o Executivo a preparar um "complexo" programa de rescisões amigáveis no Estado dirigido a um universo de 214 mil assistentes técnicos e operacionais.

O programa de rescisões por mútuo acordo foi anunciado a 15 de março, juntamente com os resultados da sétima avaliação da 'troika', sem grande detalhe.

Três dias depois, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, adiantava que o programa deverá começar por se dirigir aos trabalhadores inseridos nas carreiras de assistentes operacionais e técnicos e que as compensações a atribuir "serão alinhadas com as práticas habituais do mercado".

Os assistentes operacionais e técnicos/administrativos representam uma grande fatia dos funcionários do Estado, totalizando no seu conjunto 213.697
trabalhadores (37% do total), de acordo com os dados da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), relativos ao último trimestre de 2012.

O ganho médio mensal dos assistentes operacionais ronda os 750 euros, enquanto o dos técnicos/administrativos ronda os 1.060 euros.

Para convencer os trabalhadores a sair, o secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, durante a última reunião com os sindicatos, confirmou
que o Estado oferecerá até mês e meio de indemnização por cada ano de trabalho.

A remuneração a considerar na compensação será o salário efetivo, ou seja, incluirá suplementos permanentes, e não apenas a remuneração base.

O Governo tem, desde janeiro, um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre as funções sociais do Estado e o respetivo corte de 4.000 milhões de euros na despesa pública.

Neste estudo, a instituição liderada por Christine Lagarde sugere uma redução até 20% no número de trabalhadores do Estado nas áreas da educação, segurança e ainda nos administrativos com baixas qualificações.

O FMI defende que o Governo tem de reduzir o número de trabalhadores em funções no Estado e dá duas opções: cortar em setores específicos onde estão identificados excessos no número de trabalhadores ou estabelecer um número e aplicar um corte transversal.

O Fundo estima que um corte entre 10% e 20% no número de trabalhadores nas áreas identificadas daria uma poupança estimada entre 795 milhões de euros e 2.700 milhões de euros, ou o equivalente a 0,5%-1,6% do PIB.

Para ajudar neste corte, o FMI sugere que os funcionários públicos não devem estar mais de dois anos em mobilidade especial, período após o qual teriam de ser recolocados ou despedidos, e defende que um maior e melhor recurso à mobilidade especial possibilitará ao Estado uma maior poupança nos custos com pessoal.

Eis os últimos dados da Direção Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), relativos ao último trimestre de 2012:

+++ Quantos são os Funcionários Públicos? +++

Em dezembro, havia 583.669 funcionários públicos, menos 4,6% em relação ao final de dezembro do ano passado. Destes, 74,7% concentra-se na administração
central, com a grande maioria (50,5%) no Ministério da Educação e Ciência.

Na Administração Local e Regional, por sua vez, havia no total 147.495 funcionários públicos, dos quais 115.562 nas autarquias, 17.095 na Madeira e 14.838 nos Açores.

No quadro do mercado de trabalho, o emprego nas administrações públicas representava 10,7% da população ativa e 12,9% da população empregada.

+++ O que fazem? +++

São os educadores de infância e os docentes do ensino básico e secundário que representam a maior fatia do emprego nas administrações públicas (23,5%), seguidos dos assistentes operacionais/operário/auxiliar (22,8%) e assistentes técnicos/administrativos (13,8%).

Seguem-se os técnicos superiores e as forças de segurança, com um peso de 9% e 9,1%, respetivamente.

Os representantes do poder legislativo são, no total, 2.738 (representando um peso de 0,5%), dos quais 53 estão na Administração Central e 2.685 na
Administração Regional e Local.

+++ Quanto ganham? +++

O ganho médio mensal dos funcionários públicos situava-se, em outubro de 2012, nos 1.594 euros, segundo os últimos dados disponíveis, de outubro de 2012, embora haja realidades bastante díspares.

No topo dos salários mais elevados encontra-se a carreira de diplomata, com 7.985 euros de ganho médio mensal (2.297 de remuneração base média), seguido dos magistrados (4.808 euros) e dirigentes superiores (4.222 euros).

Os salários mais baixos encontram-se nas carreiras de assistente operacional/operário/auxiliar, com um ganho médio mensal de 750 euros.

+++ Que vínculos têm com o Estado? +++

Na Administração Central, considerando todos os trabalhadores em exercício de funções nas Entidades Públicas Empresarias e Santa Casa da Misericórdia, de um total de 541.099 contratos, 445.646 correspondem a comissões de serviço, nomeação e contratos por tempo indeterminado e 73.652 são contratos a termo.

O maior número de funcionários públicos com contratos a termo encontrava-se no Ministério da Educação e Ciência, com 41.390 no final de dezembro (menos
22,5% face a dezembro do ano anterior).

Segue-se o Ministério da Defesa, com 16.205 e o Ministério da Saúde, com 14.031 contratados.

+++ Quantos saíram em 2012? +++

O emprego nas administrações públicas caiu 4,6% em 2012, com a saída de mais de 28 mil funcionários. Com o emprego em todos os subsetores em queda, a administração central apresentou em 2012 a variação homóloga mais significativa: -4,8%.

+++ Quantos trabalhadores estão na situação de Mobilidade Especial?

A 31 de dezembro havia 1.108 trabalhadores em situação de mobilidade especial, menos 68 do que um ano antes. Os trabalhadores são colocados nesta situação na sequência de processos de reorganização de serviços -- extinção, fusão, reestruturação de órgãos e serviços e racionalização de efetivos - que não são necessários ao desenvolvimento da atividade desses serviços.

9

Comentários

Este espaço é destinado à construçăo de ideias e à expressăo de opiniăo.
Pretende-se um fórum constructivo e de reflexăo, năo um cenário de ataques aos pensamentos contrários.

-3
updown

Contem bem que esse numero não é real, e será acima do indicado, como é já um vicio destas laranjas, que nada do divulgado é real.

-3
updown

Rescisoes já aos funcionarios do regime dos lobbys e dos job for the boys!!! Acordaram tarde ou estiveram dormindo sobre o assunto, agora votem nos judas...

4
updown

São estes 17.000 , eleitores dos políticos atuais,e futuros !,representam os restantes 70%,da População da Madeira. E VIVA o SR.Jardim e sua cambada de vagabundos,POLÍTICOS !

6
updown

laranjas teem de ir para a rua do governo senao o povo ate pra beber agua da chuva vai ter de pagar taxa..kerem despedir funcionarios publicos pra reduzir a despesa do estado e pk nao reduzem deputados que sao so excesso de merda inutil? Pk meteram no governo mais 2 ministros mais 4 secretarios d estado? Pk pagam milhares a banqueiros? Etc etc

10
updown

Cabide de empregos, aqui e lá, a mesma vergonha !

6
updown

Nas chefias "comissário político" ninguém vai tocar.

0
updown

Olha, olha ... o quanto ganham os meninos... um licenciado ganha 1.150,00 EUROS ou menos. Viva o comunismo democrático lol.

6
updown

Os 17.000 são só dos Órgãos de Governo, dos Serviços e Fundos Autónomos e da Segurança Social da RAM. E a administração local (câmaras, juntas de freguesia, sociedades de desenvolvimento, etc...?????

7
updown

continuem votando PSD e isso vai passar

O nome que será apresentado como autor do comentário.
O conteúdo deste campo é privado e não será exibido publicamente.

Outras relacionadas...

18:42

Miguel Albuquerque é o próximo candidato entrevistado

Este sábado leia a entrevista no DIÁRIO, ouça na TSF e veja no dnoticias.pt
29/09 16:24

Vítor Ferro é o ‘Piloto de Sonho’

Duarte Carvalho ficou em segundo lugar

Espaço participação

Que análise faz à gestão do serviço de saúde na Região?

Volta a faltar medicamentos e há a denúncia que o SESARAM trata de forma desigual os doentes, sobretudo na oncologia. Que fazer?